Chicossauro Rex: Crise no Bahia – abuso de redundância

Postado em 16/05/2013 12:23

Falar de crise no Bahia parece até redundância.

O tricolor vive uma crise eterna por falta de profissionalismo da sua direção.

O atual presidente, Marcelo Guimarães, o Filho, tentou mostrar que sua juventude casaria com a reformulação do clube. Conseguiu tirar o Bahia das catacumbas das divisões inferiores. Trouxe Paulo Angioni, que no primeiro ano à frente da gerência de futebol, fez boas contratações.

Arena vazia, reflexo da péssima campanha do tricolor com desclassificação precoce no Campeonato do Nordeste, goleadas sofridas para o rival no Baianão e desclassificação diante da Luverdense, na Copa do Brasil

Arena vazia, reflexo da péssima campanha do tricolor com desclassificação precoce no Campeonato do Nordeste, goleadas sofridas para o rival no Baianão e desclassificação diante da Luverdense, na Copa do Brasil. Moscas ocupam templo do futebol baiano

Mas, nada de mudanças. Tudo obra de fachada. O Bahia tem uma imagem ruim no mercado de futebol. Deve a muita gente. Vê jogadores que fizeram parte das suas divisões de base saírem falando horrores da direção (vide os casos de Vander e Mansur, hoje no rival Vitória) e já provou que não sabe contratar.

A diretoria sempre traz caminhões de jogadores como Thurran, Potita, Pablo e coisas do tipo, empurram pela goela do torcedor como se fossem revelações do futebol e ficam devendo justamente futebol.

Um recado foi dado pela torcida na desclassificação de quarta-feira contra o LEC (Ah, Lelec, lec, lec…), mesmo com toda estratégia da diretoria para fugir ao “público zero”, apenas pouco mais de 1,8 mil testemunhas foram à Arena Fonte Nova, que já foi templo do Bahia e agora parece que é lugar onde enterraram caveira de burro. Não ganha nada e ainda soma três derrotas seguidas (duas incríveis goleadas para o rival, para entrar na história)..

Tem horas em que é preciso recuar para poder avançar de novo.

Chega de reinado de famílias (parece até seriado americano: Dinastia) dentro do clube. O futebol da Bahia precisa de dois clubes de qualidade disputando o Baianão, Brasileirão e todos os ão que surgirem. Já ficou provado que um não vive sem o outro e quando um está mal, o outro fica também. Então, pra salvar o futebol da Bahia, o Bahia tem que se profissionalizar. É impossível que o Vitória acertou quase todas as contratações em 2013 e o Bahia sequer acertou uma (exceção, talvez, para o esforçado Fernandão).

O Brasileirão bate à porta. o Baianão foi vexame, a Copa do Brasil foi vexame, o Nordestão foi vexame… A segunda divisão, antes mesmo de começar o Brasileirão… Está muito perto.

Comentários: