Eduardo Costa ataca apresentadora da Globo: “Só faz programa para maconheiro?”

Postado em 08/11/2018 4:58

O cantor Eduardo Costa atacou a apresentadora da TV Globo, Fernanda Lima, após ela ter falado sobre machismo no final do programa “Amor & Sexo”, que foi ao ar na noite da última terça-feira (06). O artista declarou apoio público ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

“Mais de 60 milhões de brasileiros e brasileiras votaram no Bolsonaro e agora essa imbecil com esse discurso de esquerdista! Ela pode ter certeza de uma coisa, a mamata vai acabar, a corda sempre arrebenta pro lado mais fraco e o lado mais fraco hoje é o que ela está. Será que essa senhora só faz programa pra maconheiro, pra bandido, pra esquerdista derrotado, e pra esses projetos de artista assim como ela?”, escreveu.

O artista ainda ameaçou a apresentadora. “Bolsonaro não está sozinho, o povo está com ele e a senhora pode ter certeza, o Brasil vai sabotar a senhora, se Deus quiser. Sérgio Moro vai começar a ajuda a sabotar, pode esperar. E tenho dito”, disparou.

No final do programa, Fernanda falou que as mulheres iriam se unir para acabar com o “sistema de opressão”. “Chamam de louca a mulher que desafia as regras e não se conforma. Chamam de louca a mulher cheia de erotismo, de vida e de tesão. Chamam de louca a mulher que resiste e não desiste. Chamam de louca a mulher que diz sim e diz não. Não importa o que façamos, nos chamam de louca. Se levamos a fama, vamos sim deitar na cama. Vamos sabotar as engrenagem desse sistema de opressão”, disse a apresentadora.

O programa acabou gerando debates nas redes sociais e dividiu opiniões. Após a repercussão, a apresentadora comentou o caso no Instagram dela e ainda decidiu trancar os comentários dos fãs, para evitar ataques. “O programa mulher, que foi ao ar esta semana, foi gravado em julho, e assim como os outros tem sido preparado com esmero e carinho há meses. Nossa equipe está muito feliz com os debates que o programa #mulher tem gerado, pois a nossa motivação é provocar reflexões sobre o papel da mulher na sociedade e como podemos desconstruir as estruturas machistas, homofóbicas e racistas que aprisionam as mulheres e homens. O amor cura”, escreveu.

Varela Notícias

Comentários: