Programa de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa na Bahia prevê retirada de vacinação em 2021

Postado em 29/11/2018 8:29

O Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa foi apresentado na noite desta quarta-feira (28) durante fórum realizado na Feira Internacional da Agropecuária (Fenagro), no Parque de Exposições, em Salvador. Na oportunidade, representantes do setor agropecuário conheceram as estratégias do programa para enfrentar os desafios da última etapa da erradicação da doença.

O Brasil ficou livre da febre aftosa este ano, conquista importante para o país que é o maior exportador de carne bovina do mundo. Na Bahia, a febre aftosa foi erradicada no ano 2000, mas a vacinação ainda é mantida. Em todo o país, a próxima etapa no trabalho de erradicação da aftosa prevê a eliminação da vacinação

Segundo o coordenador do programa de aftosa da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB), Antônio Maia, a Bahia possui um rebanho de 10 milhões de cabeça de gado e a necessidade de vacinação deve ocorrer apenas até 2021. “Esse processo para retirada da vacinação foi iniciado em junho deste ano com planejamento de ações que devem ser cumpridas até a retirada da vacina. Para suspender a vacinação precisaremos fortalecer outras ferramentas de controle de prevenção da doença para evitar um possível retorno da aftosa. De acordo com nosso protocolo, em maio de 2021 estaremos realizando a última etapa de vacinação do estado”, explica.

Durante o fórum, o plano estratégico da Bahia para o combate à aftosa também foi apresentado. O chefe de gabinete da Secretaria de Agricultura do Estado, Eduardo Rodrigues, destacou a importância do setor pecuário para o estado. “Hoje no setor agropecuário como um todo temos uma representação de 1/4 da economia do Produto Interno Bruto baiano e o setor da pecuária tem grande representatividade. Hoje somos uma zona livre com vacinação e já estamos caminhando para uma zona livre sem vacinação. Isso vai representar não só a comercialização desses animais nacionalmente, mas principalmente uma carne de alta qualidade para exportação”.

Eduardo Rodrigues ainda aproveitou para salientar que a parceria com os produtores tem sido fundamental para os bons resultados. “A Adab tem realizado um trabalho muito importante de vigilância e principalmente com a fiscalização e atuação de todos os produtores que são a força motriz do nosso estado”.

O coordenador do departamento de animais terrestres do Ministério do Meio Ambiente, Plínio Leite Lopes, falou sobre a importância estratégica da erradicação da aftosa. “A febre aftosa é uma das doenças mais temidas do mundo e o Brasil como um player no comércio mundial e um dos maiores fornecedores de proteína bovina para o mundo, a erradicação da aftosa coloca o Brasil num patamar de competição bastante favorável. Além disso, representa a certificação de um trabalho feito ao longo de décadas a partir da união de vários atores desse processo”.

Comentários: