Que zika, hein?!

Postado em 12/02/2016 4:26
Que zika, hein?!

 

Mais uma produção das organizações Aedes Aegypt, o zika vírus virou artigo brasileiro de exportação. Perdi a conta de quantos países já contabilizam casos da doença após visitas ao nosso País. Pior, associado à microcefalia, o mal está na pauta de reuniões das Nações Unidades e é notícia a ser repercutida nos veículos de comunicação do mundo todo.

Isso tudo, às vésperas do maior evento mundial, as Olimpíadas, que justamente este ano serão realizadas na Cidade Maravilhosa, o Rio de Janeiro, que teve a Baía de Guanabara rdicularizada devido à grande índice de poluição que assustou os atletas de esportes náuticos.

Esse é o meu País. O Brasil, certamente, é um dos lugares mais bonitos, completos, ricos do mundo, mas desde a chegada de Cabral lá pelas bandas de Porto Seguro que só se faz explorar a terra onde se plantando tudo dá. Talvez, a única cidade planejada em território nacional tenha sido Brasília, com seu formato de avião. De resto, foi-se abrindo clareira aqui, ali, construindo ruas estreitas para depois ter de alargar, deixando-se invadir áreas estratégicas até dar nessa bagunça que nenhuma diarista quer arrumar.

Nosso amigo aedes era conhecido como o portador inicial do vírus da febre amarela, doença que já nem se fala mais. Virou transporte para a dengue, que há duas décadas atormenta o País e agora, turbinado, carrega mais duas bombas de efeito fulminante, a Chikungunya e a Zika. Essa última, era tida como doença mais simples, causava só algumas dores, aqui, ali, dava uma coceirinha uma febrezinha. Agora já é considerada mortal (dois casos confirmados em território brasileiro) e ainda por cima um perigo para as grávidas, já que – pelo que se provou até aqui – é também causadora da microcefalia em bebês.

O País declarou guerra ao aedes aegypt, mas falta ao brasileiro a educação e asseio necessário para acabar com a praga. A pessoa que joga lata de cerveja ou refrigerante pela janela do carro, ou aquela que abandona a casca do coco na praia, que joga pneus em encostas, que não tampa o reservatório de água, que abandona piscinas ao tempo… Essa pessoa é a responsável direta pelas fatalidades da doença. Não, não é o veneno que vai matar todos os mosquitos. Indiretamente, o velho problema da falta de educação.

Com as famílias em crise, a educação doméstica passa a ser mais um conteúdo para sala de aula. E aí, me lembro da velha disciplina Educação Moral e Cívica (imposta à grade escolar pela velha Ditadura Militar), onde se ensinava bons modos, como ceder o lugar aos mais velhos; ajudar pessoas com deficiência a atravessar a rua; não jogar lixo nas ruas; ser educado; dizer bom dia, boa tarde, boa noite… Parece o óbvio, mas tudo isso foi esquecido. Quem sabe… a volta da EMC…

Mais do que acabar com o aedes e a zika, o Brasil precisa ser repensado lá na base ou cada vez mais vamos ouvir as gerações futuras declamando “tudo nosso, nada deles”. No caso do aedes… essa é a trilha sonora.

+++

Chicossauro Rex

E-mail: chicossaurorex@yahoo.com.br

 

Comentários: