Salvador teve a melhor ocupação hoteleira em 22 anos, diz ABIH

Postado em 04/01/2018 5:57

“A capital baiana registrou a melhor taxa de ocupação hoteleira do réveillon dos últimos 22 anos, com a realização do Festival da Virada”. A afirmação é do presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis na Bahia, Glicério Lemos, que neste dia 04 de janeiro, reúne a Imprensa em entrevista coletiva no Monte Pascoal Praia Hotel, para apresentar o Plano Estratégico da ABIH – BA para 2018.

Conforme Glicério Lemos, reeleito para o comando da entidade no biênio 2018-2019, o desempenho da ABIH-BA em 2017 foi maior do que o ano de 2016, e a parceria com a prefeitura de Salvador, de divulgação do destino soteropolitano, que permitiu a capacitação de agentes de viagens e operadores de turismo dos principais polos emissores para a capital baiana, dentre outras ações, contribuiu para uma grande presença de turistas na cidade durante o início do verão e o réveillon, este com uma grade de programação de sucesso por ser diversificada.

O presidente da ABIH – BA considerou que a divulgação antecipada do Festival da Virada, a duração e a variedade da programação da festa do final do ano em novo espaço estratégico, em meio à rede hoteleira instalada, contribuiu para que Salvador registrasse em 31 de dezembro, um dos melhores desempenhos de 2017, com média de ocupação de 99,60% e diária média de R$ 478,22. Com pequenas variações, a melhora no desempenho foi verificada em todos os polos hoteleiros.

“O réveillon foi sucesso total e tivemos a melhor taxa de ocupação de todos os tempos, 99,6%, sendo que não chegamos aos 100% por causa de no show e a chegada de hóspedes após a meia-noite, horário que o sistema não registra a estatística do dia 31. De qualquer forma, a repercussão foi maravilhosa e a prefeitura tem que continuar com este Festival, uma ação que deu resultados positivos, práticos com efeito benéfico para toda a população, gerando riqueza e distribuição de renda. É muito importante a continuação desse réveillon como está sendo formatado, planejado e executado. A ABIH apoia integralmente todas as iniciativas de qualquer governo, de qualquer esfera, municipal, estadual ou federal, que venha trazer benefícios práticos para o turismo e os moradores da cidade”.

Após longo período de dificuldades, que tiveram seu ponto culminante em junho de 2016, a hotelaria de Salvador fechou o ano de 2017 apresentando sinais de retomada, com média anual de ocupação de 56,32%, superior às médias de 2016 (50,99), 2015 (53,67), 2014 (55,64%) e semelhante à de 2013 (56,27%). No que diz respeito à diária, a média de 2017 (R$ 226,27) caiu 3,4% em relação ao ano anterior (R$ 234,25), revelando ser este um dos pontos de maior fragilidade.
“Os resultados ainda são tímidos, mas a expectativa é otimista em função do cenário de reversão de crise econômica no país, e de algumas iniciativas fundamentais para o turismo como a requalificação da orla e dos principais pontos turísticos da cidade, a dinamização do calendário de eventos, a perspectiva de melhora do aeroporto com a gestão privada em 2018, a definição do novo centro de convenções da cidade e o incremento de iniciativas promocionais visando a divulgação do destino Salvador, que começam a dar seus primeiros resultados”, pontua o presidente da ABIH-BA, Glicério Lemos.
DEZEMBRO – Tomando-se por base apenas o mês de dezembro de 2017, a hotelaria apresentou uma taxa média de ocupação de 58,84% e diária média de R$ 226,29, resultando em um Revpar (indicador ponderado da diária e ocupação) de 133,14. Comparando-se com o desempenho do mesmo período do ano anterior, verifica-se aumento significativo na taxa de ocupação – que passou de 50,00% em dezembro de 2016 para 58,84% em dezembro de 2017 e queda de 3% na diária média (que passou de R$ 232,79 em dezembro de 2016 para R$ 226,29 em dezembro de 2017).
Os resultados são fruto da Pesquisa Conjuntural de Desempenho (Taxinfo), realizada em parceria entre a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – seções Bahia e Brasil. Os dados são fornecidos diariamente pelos próprios hotéis ao Portal Cesta Competitiva e a média resultante constitui indicador para avaliar a evolução da atividade de hospedagem em nossa capital.

Glicério Lemos torce para que a prefeitura continue com “essa política de incentivo ao réveillon, porque beneficia toda a cadeia produtiva do turismo, que reflete 53 setores da economia que vai da aviação, hotéis, restaurantes, bares, taxis, baiana do acarajé, lojistas, materiais de construção, enfim todos os setores da economia soteropolitana são beneficiados com a presença dos turistas para Salvador”.

Verão

Quanto à temporada de verão, Glicério Lemos afirma que esta já é melhor do que o ano de 2017, com um incremento da taxa de ocupação hoteleira em torno de 20 por cento. Para o Carnaval, a ABIH-BA também trabalha com a expectativa de uma excelente presença de turistas em Salvador.

“A coletiva de imprensa que a prefeitura promoveu em São Paulo foi muita boa, uma grande divulgação da folia baiana. Então, ações como essas beneficiam a população e o turismo, que precisa ser realmente incentivado, pois gera resultados imediatos. Precisamos que o estado também reforce sua política voltada para o turismo, aumentando o orçamento da Secretaria de Turismo para 5% do PIB da Bahia”, pontua o presidente da entidade hoteleira.

Plano Estratégico para 2018

Para este ano, a ABIH pretende continuar atuando com uma estratégia de marketing agressivo, visando ampliar a atividade turística com foco na geração de emprego e distribuição de renda, pondo em prática o Plano Estratégico de 2018.

Road-Shows com capacitações, promoção de Fam shows com operadores e agentes de viagens, em parceria com as empresas aéreas Gol, Avianca e a Prefeitura Municipal de Salvador, Rodada de Negócios com apoio técnico do SEBRAE, além de encontros com a hotelaria e a realização do Fórum de Hotelaria e Turismo, curso de Revenue Management, interiorização da ABIH-BA, acompanhamento das políticas públicas ( Federais, estaduais e municipais), a busca por formas de energias alternativas que permitam a redução de custos para os hotéis e ajustar a CCT à luz da reforma trabalhista, são metas traçadas pela entidade para serem alcançadas e posta em prática ao longo de 2018.

“A cidade finalmente está reencontrando seu rumo para o crescimento do turismo, um dos setores com maior capacidade de geração de emprego e renda. Ainda há muito trabalho a ser feito, mas acreditamos ter condições de voltar a figurar dentre as principais capitais turísticas do país”, comemora Lemos.

Comentários: