São Paulo declara guerra ao mosquito Aedes aegypti

Postado em 06/12/2018 8:12

Em clima de união faz a força, a Prefeitura de São Paulo lança o Plano Municipal de Enfrentamento às Arboviroses, com o objetivo de combater e prevenir doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, zika, chikungunya) e também de evitar que a febre amarela volte a ser transmitida na cidade.

“A ideia é capacitar a cidade para que a gente possa, sob todos os pontos de vista, fazer um combate efetivo das arboviroses”, destaca o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido.

A iniciativa envolve as pastas de Saúde, Gestão, Assistência Social, Esporte e Lazer, Mobilidade e Transporte, Governo, Educação, Subprefeituras, Segurança Urbana, Verde e Meio Ambiente, Inovação e Tecnologia, além do gabinete do prefeito, da sociedade civil e da Secretaria Especial de Comunicação.

Todo mundo vai colocar a mão na massa e as diretrizes vão da realização de ações educativas em escolas, passando pela limpeza urbana, remoção de lixos e matos em parques, busca dos recursos necessários para combate do vetor, vacinação e o atendimento ao cidadão com dúvidas e denúncias de criadouros.

Conheça o plano

De acordo com o secretário da Saúde, o plano é dividido em quatro bases. “Teremos um eixo da vigilância epidemiológica/laboratorial; um referente ao controle do vetor nos domicílios e nas áreas públicas e outro de assistência, diagnóstico e o manejo clínico do paciente, da atenção básica da secretaria. Além disso, há também o eixo da educação com comunicação e mobilização social. É aí que entra a adesão da população”, disse.

Os profissionais da Saúde também foram capacitados para identificação dos casos. E não pense que os trabalhos de controle vetorial se limitam apenas a área técnica. Há também a garantia de insumos, maquinários e veículos em pleno funcionamento.

Exército de agentes

O plano terá uma busca ativa, casa a casa, feita por um “exército de agentes públicos” formado por 11 mil funcionários, que foram treinados e envolvidos diretamente nesse processo.

Outra novidade é a implementação de uma Sala de Situação para o monitoramento da evolução epidemiológica das doenças, bem como a definição das diretrizes e planejamento de ações.

Para tanto, foram criados 32 comitês regionais que irão alimentar as informações com dados específicos de cada região. “O trabalho de conscientização da população também é fundamental. Não basta só a visita dos agentes de Saúde e das demais secretarias. É a mobilização efetiva da sociedade que vai garantir um grande enfrentamento dessa questão”, informa o secretário da Saúde.

Tecnologia e inovação

Entre as ações inovadoras, a Secretaria Municipal de Segurança Urbana, por exemplo, oferece o programa Dronepol, para a detecção de criadouros em locais abandonados, com a utilização de drones.

Já a área de comunicação contribuiu com a criação do hotsite http://mosquitovilao.prefeitura.sp.gov.br/ , com o objetivo de informar e conscientizar a população.

Febre amarela

O plano também prevê a intensificação de ações de vacinação contra a febre amarela. No último dia 24 de novembro, o dia “D” de Intensificação das Ações de Prevenção das Arboviroses causadas pelo mosquito Aedes aegypti, mais de 61 mil pessoas foram imunizadas contra a febre amarela na capital.

Se você ainda não se protegeu, pode receber a dose gratuitamente em todos os postos de saúde da capital. Saiba qual é a unidade de referência mais próxima pelo Busca Saúde (http://buscasaude.prefeitura.sp.gov.br/).

R7

Comentários: