Rede Ecosmar participa do Fórum Social Mundial (FSM 2018)

Postado em 13/03/2018 11:25


Criada a partir de um projeto que integra ações da Dow Brasil e da UFBA, a Rede participa do FSM 2018 com o Banco Comunitário Ilhamar e a agência ViverTur

A Rede Matarandiba de Economia Solidária e Cultura – Rede Ecosmar participa da 13ª edição do Fórum Social Mundial (FSM 2018), que começou hoje (13) e acontece até o dia 17 de março, em Salvador (BA). A Rede surgiu em 2007, a partir de um projeto que integra ações da Dow Brasil – empresa química presente na Bahia há mais de 40 anos – e a Incubadora de Economia Solidária (ITES), da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Também conhecida como Ecosmar, ela estimula a geração de trabalho e renda, por meio de empreendimentos econômicos solidários – voltados para a produção e consumo local – e as ações de natureza sociocultural, sociopolítica e/ou socioambiental.

O FSM 2018 deve reunir cerca de 60 mil pessoas, de 120 países, dentre elas lideranças políticas e representantes de organizações sociais de todos os continentes. A maior parte das atividades serão concentradas no Campus de Ondina, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), mas o evento contará, ainda, com atividades em territórios temáticos, como o Parque do Abaeté, em Itapuã, e o Parque São Bartolomeu, no Subúrbio Ferroviário da cidade.

O Banco Comunitário de Desenvolvimento Ilhamar (BCDI), fundado em 2008, para apoiar pequenos negócios e atender às necessidades de crédito dos moradores da Vila de Matarandiba (localizada no município de Vera Cruz –Região Metropolitana de Salvador), participa do FSM 2018. “A experiência do Banco Ilhamar será compartilhada num contexto amplo de discussão sobre as perspectivas das finanças solidárias no Brasil”, explica a técnica da ITES-UFBA, que apoia o Ilhamar, Lais Francine. O banco comunitário de Matarandiba é um dos empreendimentos solidários da Rede Ecosmar.

A Concha, moeda social criada pela Rede Ecosmar, que circula na comunidade de Matarandiba, também vai marcar presença no Fórum. Ao todo, sete moedas sociais, de diferentes localidades, vão circular durante a Feira de Economia Solidária do Fórum Social Mundial. A participação do Ilhamar vai permitir o intercâmbio com diversas experiências de economia solidária do mundo. “Será muito importante para o fortalecimento da Rede Bancos Comunitários da Bahia e para potencializar a atuação do banco na comunidade de Matarandiba”, resume o coordenador executivo da ITES-UFBA, Iago Itã. Os agentes de crédito Josias Costa e Vanessa de Jesus estarão participando das atividades do FSM 2018, representando o banco comunitário.

Outro empreendimento social de Matarandiba que estará presente no Fórum é o ViverTur: a iniciativa vai fazer parte da programação do II Fórum Global de Turismo Sustentável. “A expectativa é de trocar experiências de turismo comunitário, com organizações de vários continentes, colaborando para o fortalecimento da Rede Baiana de Turismo Comunitário e da Rede Nacional, além da articulação na formação de uma Rede Global de Turismo Comunitário”, destaca Iago Itã.

CARTA DE SALVADOR PARA O TURISMO

O ViverTur participará da redação da Carta de Salvador para o Turismo, que será resultante da discussão a respeito do turismo convencional e seus impactos. “Mais que isso, o documento vai reivindicar espaços políticos e econômicos, nas políticas públicas de turismo, para fortalecer os grupos e comunidades de turismo de base comunitária”, esclarece a técnica da ITES-UFBA, que apoia o ViverTur, Diana Rôde. Os agentes do empreendimento econômico solidário, Joedson Silva Souza e Malú Suelen da Silva e Silva participam do Fórum.

Empreendimento formado por agentes e condutores locais, o ViverTur foi criado em 2013, para transformar Matarandiba em destino turístico de base comunitária. Formado por jovens e adultos da comunidade, estrutura roteiros e realiza a condução turística na localidade, proporcionando ao visitante uma experiência de maior proximidade com as pessoas da região. A proposta é fazer da atividade turística uma alternativa de elevação da autoestima coletiva e uma oportunidade de incrementar a renda dos moradores, sem que eles abdiquem de suas atividades tradicionais.

Para a conselheira administrativa da Associação Comunitária de Matarandiba (Ascoma), Elizângela Lopes Lima, a participação do Ilhamar, da moeda Concha e do ViverTur no FSM 2018 é de extrema importância. “Primeiro pela troca de experiências. Além disso, será uma ótima oportunidade para a divulgação do projeto Ecosmar, por meio da circulação da nossa moeda social. A ocupação desses espaços é de grande riqueza para todos nós”, afirma. “Fomos convidados a participar desse evento pela trajetória de 11 anos do nosso trabalho. Significa reconhecimento internacional”. A Ascoma é responsável pela criação e gestão dos empreendimentos de economia solidária da Rede Ecosmar.

Comentários: